TÁSSIA BORGES

Captura_de_Tela_2019-08-09_%C3%A0s_14.37

Mestranda em Psicologia Clínica pelo Núcleo de Método Psicanalítico e Formações da Cultura da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e Bacharel em Letras pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (USP), trabalha com educação e linguagem há mais de 18 anos. Atualmente, coordena e ministra o Curso de Psicanálise Kleiniana e o GEMK. 

 

Atua como psicanalista, supervisora e professora. Possui formação em psicanálise freudiana e conhecimento das escolas inglesa e francesa. É coordenadora de Psicanálise do Gepech e como professora convidada, é docente em escolas de psicanálise em São Paulo e outros estados.

Minha trajetória

Eu ingressei no curso de Letras da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (USP) e optei por não fazer uma segunda opção de habilitação porque o curso era denso. No entanto, para completar as horas necessárias para a conclusão do curso, precisava fazer grande número de matérias optativas.

 

Dentre elas, estudei Literatura Comparada de Língua Portuguesa e Literatura Africana. Fiz iniciação científica sobre poesia como engajamento político no período de independência das colônias africanas (Angola, Moçambique e Cabo Verde) e de ditadura na metrópole Portugal. Além dessas disciplinas, cursei outras bem interessantes como Cultura Sânscrita Védica e Bramânica, Introdução à Língua e Cultura Norueguesa.

 

Dediquei alguns anos após a graduação a estudos do tema, estudei poesia feminina, especificamente de Sophia de Mello Breyner Andresen. Após esse período diverso no mundo das letras, já lecionava há anos Língua Portuguesa e Inglesa, além de ter uma empresa de produção editorial, recebi convites para lecionar sobre oratória e percebi que havia algo mais “forte” do que um não saber técnico das pessoas.

 

O meu terapeuta na época me apresentou a Psicanálise e a “força” do inconsciente e, óbvio, ingressei no mundo da psicanálise e cá estou. São dezoito anos de trabalho lecionando, no início conteúdos ligados à Linguagem e Metodologia de Pesquisa, nos últimos cinco à Psicanálise. Sempre entendi que minha vivência, os conteúdos que estudei, as experiências pelas quais passei são fatores importantes para o meu labor professoral.

 

Os assuntos diversos estão espalhados por aí. Livros aos montes são publicados todos os anos e mais ainda conhecimentos na internet, mas o que faz diferença no nosso trabalho é a metodologia aplicada e a união de todo conteúdo pulverizado. E de isso posso me orgulhar.

 

Como professora, sempre penso em estratégias para tornar o conhecimento mais acessível aos meus alunos. Como psicanalista, aprendi e aprimorei técnicas de manejo e supervisão que faço questão de compartilhar com todos que me procuram com essa finalidade.

 

Atualmente sou coordenadora de Metodologia de Pesquisa, Estudo e Publicação do GEPECH. Um grupo que coaduna conhecimentos das humanidades, trabalhando com profissionais de diversas áreas, como medicina, psicologia, neurociências, filosofia e psicanálise.

logo (1).png

Atualmente, sou Coordenadora da área de Psicanálise do Grupo de Estudos e Pesquisa em Comportamento Humano (GEPECH).

 

O GEPECH – Grupo de Estudos e Pesquisa em Comportamento Humano – iniciou suas atividades no Centro de Estudos em Medicina Comportamental  do Departamento de Psicobiologia da UNIFESP há mais de 15 anos. Nosso objetivo é o desenvolvimento de conhecimento e pesquisa a partir de estudos transdisciplinares envolvendo neurociência e psicanálise sobretudo neo-kleiniana. Contamos com 1 coordenador geral, 6 coordenadores de área e 14 assistentes de pesquisa. " 

Fonte: GEPECH

Psicanálise

No universo da psicanálise eu me encontrei com diversos autores. Freud é meu ponto de partida e a partir de sua obra estruturei meu primeiro livro "Caminhos para Freud: para além de um manual de leitura".

 

Além do pai da psicanálise, me aventurei nas escolas francesa e inglesa, me dedicando, particularmente, à última.

Minha missão

A partir da supervisão tive o contato na prática com a clínica kleiniana. Já havia estudado sobre Melanie Klein, mas a partir desse momento, sua obra se tornava fundamental para meu trabalho.

 

E foi dessa forma que comecei a minha carreira como psicanalista. Trazendo os ensinamentos de Melanie Klein para o trabalho no divã. Klein possui abordagens e manejos extremamente atuais, pautada na questão da realidade e de emoções fortes e fundantes do ser humano, como amor e ódio, culpa e reparação, inveja e gratidão.

 

Os livros da autora não são publicados há cerca de 20 anos no Brasil. Lidamos com a realidade de obras esgotadas, livros vendidos em sebos com preços altíssimos. São títulos raros e disputados. E como difundir uma teoria mesmo com todos esses desafios?

 

Seu legado é rico demais para ser perdido, principalmente porque entendemos a importância de sua teoria para se trabalhar a realidade e as questões presentes na clínica contemporânea. E foi aí que eu percebi minha missão: divulgar a obra de Melanie Klein no Brasil.

 

Nosso objetivo é preencher a lacuna existente nos estudos kleinianos que estão na academia ou em escolas de psicanálise como uma disciplina ou curso elementar de curta duração. E pensando nisso, organizei a partir dos meus quase 10 anos de experiência com a teoria e partir de toda metodologia que estruturei, o Curso de Psicanálise Kleiniana e o GEMK.